O mundo necessita de ternura – o Papa na Missa da Noite de Natal


Publicado em: 27/12/2014
.............................................................................................................................................................................................................................................................................................

O Papa Francisco celebrou na noite de dia 24 de dezembro a Missa da Vigília de Natal na Basílica de S. Pedro. Na sua homilia o Santo Padre afirmou que o mundo tem hoje necessidade de ternura e começou por sublinhar duas frases das leituras da liturgia. Uma de Isaías e outra de Lucas:

“O povo que andava nas trevas viu uma grande luz; habitavam numa terra de sombras, mas uma luz brilhou sobre eles” (Is 9, 1).

“Um anjo do Senhor apareceu [aos pastores], e a glória do Senhor refulgiu em volta deles” (Lc 2, 9).

“É assim que a Liturgia desta santa noite de Natal nos apresenta o nascimento do Salvador” – continuou o Papa Francisco – “como luz que penetra e dissolve a mais densa escuridão.”

Segundo o Santo Padre também nós vamos à casa de Deus atravessando as trevas que envolvem a terra, mas guiados pela luz da fé que ilumina os nossos passos e animados pela esperança de encontrar a “grande luz” que é o milagre daquele “menino-sol” que é Jesus que veio ao mundo para iluminar as trevas – afirmou o Papa Francisco:

“A origem das trevas que envolvem o mundo perde-se na noite dos tempos. Pensemos no obscuro momento em que foi cometido o primeiro crime da humanidade, quando a mão de Caim, cego pela inveja, feriu de morte o irmão Abel (cf. Gn 4, 8). Assim, o curso dos séculos tem sido marcado por violências, guerras, ódio, prepotência.”

Mas Deus continuou a esperar pacientemente face à corrupção de homens e povo – observou o Santo Padre – tal como o pai da parábola do filho pródigo, à espera de vislumbrar ao longe o regresso do filho perdido.”

O Papa Francisco afirmou assim que “a mensagem que todos esperavam, que todos procuravam nas profundezas da própria alma, mais não era do que a ternura de Deus: Deus que nos fixa com olhos cheios de afeto, que aceita a nossa miséria, Deus enamorado da nossa pequenez.”

O Santo Padre declarou então que o Menino Jesus convida-nos a refletir: “Como acolhemos a ternura de Deus? Deixo-me alcançar por Ele, deixo-me abraçar, ou impeço-Lhe de aproximar-Se?”

“… temos a coragem de acolher, com ternura, as situações difíceis e os problemas de quem vive ao nosso lado, ou preferimos as soluções impessoais, talvez eficientes mas desprovidas do calor do Evangelho? Quão grande é a necessidade que o mundo tem hoje de ternura!”

A vida deve ser enfrentada com bondade, com mansidão – advertiu o Santo Padre – quando nos damos conta de que Deus Se enamorou da nossa pequenez, de que Ele mesmo Se faz pequeno para melhor nos encontrar, não podemos deixar de Lhe abrir o nosso coração – afirmou ainda o Papa Francisco que concluiu a sua homilia dizendo que a grande luz do presépio foi vista pelas “pessoas simples, dispostas a acolher o dom de Deus” e não pelos “arrogantes, os soberbos, aqueles que estabelecem as leis segundo os próprios critérios pessoais, aqueles que assumem atitudes de fechamento.”

O Santo Padre terminou a sua homilia dizendo: “Olhemos o presépio e façamos este pedido à Virgem Mãe: Ó Maria, mostrai-nos Jesus!”

Conecte-se

Login:
Senha: